Nome de Rua

Qual é a rua onde as pessoas se beijam sem parar???
Resp.: Rua Benjamin Constant (Beija a mim constante).

Vista desejada


[click to zoom]

Mar Adentro

Assisti agora o filme Mar Adentro. Assisti em casa.
Ainda bem que não assisti no cinema, assim pude me permitir um stop nas horas que a garganta apertava mais. O filme é muito triste, e não por isso menos belo.
O ator principal (Javier Bardem) é excelente (apesar de muito parecido com um colega de trabalho meu chamado Rosa). Não achei o filme parado ou chato, talvez por que a Chandra não parava de me mordiscar…
Fiquei pensando no ponto de vista do personagem: viver não é uma obrigação. Morrer com dignidade é uma opção. Esse não é o meu opnto de vista: Pô, o cara estava totalmente criativo, escrevendo, produzindo, com uma família que o amava, e ainda por cima teve o amor de duas mulheres em seus últimos meses !!! Nada mal para quem só se mexia do pescoço para cima… e tem a parte dos que ficam também… muito triste.
E já que morrer faz parte da “vida” do todo mundo, vale a pena pensar nela também. E sempre se lembrar a viver intensamente a vida que nos resta!
Cotação do Mondo VR: BOM


Premiadíssimo filme do diretor espanhol Alejandro Amenábar (Os Outros) concorre ao Oscar pela Espanha, tendo deixado Má Educação, de Pedro Almodóvar, fora da disputa. História real de Ramón Sampedro (Javier Bardem), um tetraplégico que viveu recluso em sua cama durante mais de vinte anos e que decidiu se suicidar com a ajuda de desconhecidos em 1998, após fracassar em sua tentativa de que os tribunais reconhecessem sua possibilidade legal de se submeter à eutanásia. (fonte: Terra)

Menos 1’32” (Uau!!!)

Ontem corri 10 voltas (4 km) em 25’06”. Baixei um minuto e trinta e dois segundos em relação ao treino anterior.
E a Equipe VR2 Running começa a tomar nova forma !!! A Elisa e a Fê tem bastante pique… Estão correndo muito!
Rumo a Rústica 2005, no dia 29 de Maio !!!

Momento Síntese

circulando a energia parada
O insight é um sincronismo. Você tem que atingir um estado vibratório ressonante para sincronizar. As verdades já estavam lá e você que não enxergava-as.
Fragmentos de textos como “nao ha recomeco sem perdao”, “eh facil ser feliz na ignorancia e na superficie”, “nao julgue sem antes ter sido condenado” ou “tudo aquilo que eh superfluo vai desaparecer” já estavam escritos, mas fazem sentido quando o quebra-cabeças começa a encaixar.
Como num retrocesso no tempo, uma sensação de deja-vu, o término do horário de verão sincronizou com um “momento síntese”.
Na evolução do índigo para o cristal, não se pode mais tolerar quem insiste em manter as máscaras do ego intactas.

Os dois tipos de Medo

Existem dois tipos de medo: O medo do conhecido e o medo do desconhecido.
O medo do conhecido é o medo ao olhar para trás.
O medo do desconhecido é o medo ao olhar para a frente.
Por isso tanto faz se assinarmos ou não um contrato de amor no qual as letras miúdas não dizem o que fazer quando se “perde”: já perdemos se não olharmos para o presente, e a única forma real do presente é a nossa identidade e o nosso autoconhecimento.

As pedras começam a cantar

Com o fim do site SUPRNOVA, fechado pela associação dos produtores de cinema dos Estados Unidos, a MPAA, os fãs do protocolo Bittorrent se sentiam orfãos… Mas seu vácuo foi ocupado pelo novo site MININOVA. Veja o que o Google está “falando” sobre a MININOVA.
Quando Jesus entra em Jerusalém, e a multidão começa a dizer “Hosana ao Filho de Davi!”, os fariseus pedem a Jesus que os mandasse se calar, no entanto, Jesus disse que se eles não cantassem, as pedras iriam cantar!
Com o Bittorrent é o mesmo. Os caras vão fechar a MININOVA também, mas outras começaram a cantar… Então já proponho o novo nome de seus novos substitutos: ROCKANOVA, TUTTINOVA, HYPRNOVA, NONOVA, MPAANOVA e ETCNOVA.

Dois Neurônios tem vocês


[clique para um Chandrão]
Chandra Kandi sempre foi injustamente chamada de “Dois Neurônios”. Até a letra de sua musiquinha sacaneava com o seu intelecto…
Mas agora Chandra Kandi começa a provar o contrário: Rubi acaba de ensinar a Chandra a “dar a patinha”.
O intelecto de um “Ser” pode ter muitas facetas. Na face emocional, a Chandra já havia provado ser inteligentíssima. Sua afetividade supera qualquer padrão normal canino e em alguns casos, humano. Sua face cognitiva agora começa a aflorar!!!
– “Dois neurônios tem quem me chamava assim” – respira aliviada Chandra Kandi. Solicitada para “dar a patinha”, Chandra Kandi questionou: – “A direita ou a esquerda?”

Era uma vez no Reveillon…


[Paulo, Ourives, Rubino (!) e Lincoln] [click to zoom]
trechos do Diário de New York:

Ultimo dia do ano. Apesar de ser dia de semana, é festa em todo o lugar do mundo!

Acordamos, fomos tomar café e após isto fomos ouvir um pouco de FM. Conseguimos sintonizar uma rádio da Martinica e o Rubino começou a entrar no ritmo do merengue. (…)

Fomos almoçar. Hoje o expediente terminaria cedo (14:00 hs), afinal todos merecem uma folga.

Jogamos ping pong. Esta é a nossa mais recente distração. Tem dias que não se tem nenhuma vontade de se estar trabalhando, e hoje é um desses dias. E muito difícil fazer uma retrospectiva do ano e analisar seus pontos bons e maus… Mas como disse: hoje é dia de festa! Jantamos e fomos na sala de rádio tentar falar com o pessoal de casa: frustação, não deu!. Belém Rádio estava congestionada…

Fomos ao camarote e colocamos roupa de festa. Optei pelo branco para não quebrar a tradição da família. Fomos ao camarote do Ourives, bebericar com o Imediato e o Paulo.

Descemos para a sala de estar da guarnição. Eles teriam uma festa e os oficiais outra: era uma pena, foi como dividir uma equipe! A enfermeira Cida nos deu uma folha seca para que nós, à meia-noite, com uma nota de dinheiro fizéssemos uma mentalização para que este não faltasse no ano que vinha. Não fiz por menos, e nem o Rubino: usamos cada um uma nota de 100 dólares!!!

Perto da meia noite cumprimentamos a todos da guarnição e subimos para a sala dos oficiais. A mesa era farta e tudo estava saboroso. Faltaram as cerejas…

Nem todo mundo pode dizer que passou o Reveillon no Caribe…

Meia-noite, subimos no passadiço e o Comandante nos liberou a buzina: foi um delírio!!! Afinal de contas, no meio do oceano também, tudo vira samba!
E também na meia-noite seguramos as notas de 100 dólares com a folha seca.
Agradecemos pelo ano que passou, que foi um ano bom e rezamos por nossas famílias, nossos amigos e pedimos por Paz.

Bons Ventos, afinal!

Descemos ao salão da guarnição, nos despedimos e partimos para o primeiro ronco do ano novo…

by Abraham Lincoln F. R.

Mulher Esqueleto

– vc já ouviu falar no arquétipo da mulher-esqueleto?
– não, me conta!
– é sobre o ciclo vida-morte-vida dos relacionamentos…
“em resumo… uma mulher se desentendeu com o pai, e foi jogada de uma torre no mar… morreu e foi comida pelos peixes.
aquela área de sua morte ficou uma área restrita, ninguem ia lá… até que um desavisado foi lá pescar…
e seu anzol puxou a mulher-esqueleto”

-e…
“ele ficou desesperado, se enrolou na linha e tentando fugir, acabou levando a mulher esqueleto para a praia…
ainda enrolado, tentando se soltar entra em sua casa e ela entra junto…
ele desiste, cansado… e dorme.
durante o sono ele solta uma lágrima..
ela bebe a lágrima, e arranca o seu coração.
assim ela ganha vida novamente. e devolve o coração para quem a resgatou…
ele acorda e ve a mulher esqueleto inteira e recuperada….
ela cantou para despir o homem, e deitou-se ao seu lado, pele a pele, o abraço de um no abraço do outro
E ela dormiu naquele calor. Eles acordaram, abraçados, ainda envolvidos na nuvem naquela longa, terna e revolucionária noite….
estavam se encontrando…. Souberam então que estavam juntos, agora de um outro jeito, um jeito bom e duradouro. E sorriram, sorriram como nunca sorriram, um para o outro, e para si mesmos.
eles foram morar perto da praia
estão felizes e vivos até hoje…
há quem acredite que viverão eternamente. e foi assim que aconteceu…”

– Acabou !!!
– …
esse conto ensina um pouco sobre os misterios do amor…
o mito se resume em renovação. a renovação, é vida. para que as coisas se renovem, é preciso aceitar o ciclo da vida.
o ciclo da vida precisa da morte. é preciso que haja mudança.
mudança nas duas pessoas que se amam, e mudança no amor que elas sentem e dedicam.
vida-morte-vida

– acho que embarquei no Expresso Hellmanns…
– não entendi… vou ler novamente