A Técnica do Discípulo

IMG_20180702_213235152

Aprender, aprender e sempre aprender. Esta é a senda do Discípulo, do Neófito.
Já os Mestres, dedicam seu tempo para a descoberta, para a formulação de teorias, que depois com a aplicação da prática, demonstra-se ciência. Sou ainda do lado cartesiano quanto a isso: sem comprovação é credo.
Porém nada desabona o credo, pois tão certo quanto o ver para crer tomesiano, está o crer para ver crístico. São complementares, estão associados, “entrelaçados“, como é dito na física quântica.
Existem muitos mestres. Sem preconceitos ou dogmas. Afirmar que o homem não foi na Lua, que não devemos crer nos mestres que nos aparecem e outras expressões simbólicas, devem ser compreendidas com a tolerância do contexto regional-temporal-intelectual, sem desprezar o espiritual. Nada é certo ou errado, apenas é assim relativo a um contexto.
Tudo isso porém é introdução. O fato é existem pessoas que descobrem e inventam teorias e existem pessoas que aprendem diretamente com elas. Os prêmios nobel da física quântica, o psicanalista Carl Gustav Jung, Amit Goswami, Nicolas Tesla, Hélio Couto, Gari Craig e tantos outros pesquisadores, cientistas e intelectuais estão nesse primeiro nível. São os indutores, os percursores, mas não levam (todos) os “louros financeiros” de seu trabalho.
Entra em cena agora os discípulos dos mestres. Pessoas que estudam, estudam, estudam, se referenciam em diversos mestres e teorias, e aplicam um compêndio de técnicas conforme o seu jeito. Tem o seu valor também. Quem nesse ritmo de vida de hoje em dia conseguiria estudar direto com os mestres? Daí a importância do “resumo”.
A internet está infestada desses últimos. Todo discípulo tentar lançar o seu método interpretativo compêndio dos verdadeiros mestres, registra um nome (e se tiver o termo ‘quântico‘ no meio, melhor…) e… abre o carrinho. que significa, começa a vender um curso on line.
O crítico dos revendedores de mestres na internet geralmente são muito limitados, seja na fé, seja na diversidade de idéias ou de mestres que já acompanha. Tipo: “EU leio o ParagnodedemandosaMAntraGOvi e para mim já está bom”. Ótimo para ele e péssimo para a discussão de idéias.
Eu, Fundador, Mestre & Discípulo da original Doutrina Rubinesca, essa sim eclética por definição, sou discípulo dos grandes mestres, e sou discípulo de seus grandes discípulos também. Parabéns ao Goffi, à Elainne Ourives, ao Paulo Vieira, ao Henrique Carvalho, ao Lair Ribeiro e tantos outros que me ensinam a compor o Rubino 2.0. Quanto aos prêmio-nobel, eu não preciso parabenizar, porque a Academia Sueca já faz esse trabalho.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s