Mateus 23:27

A negativa e a hipocrisia continuam! E aumentam cada vez mais!!!

Na época das eleições passadas vimos o movimento de manada, estampado no “EleNão”. Cuja incoerência eu esclareci aqui no MondoVR, pela afirmação da negação e do vexatório da ditadura do grupo.

Não foi suficiente. Continuou a ignorância, mas agora, carregada com toneladas de má fé. Refiro-me aqui ao auto-denominado movimento “antifa”. Então novamente verificamos a antítese da negação sendo aplicada pela esquerda. Por essa e por outras, se vê que não é um movimento construtivo: é involutivo e degenerativo. Piora os seus asseclas. É raro o esquerdista próspero (exceto aqueles soltos pelo STF) e de boas.

O problema agora está na denominação “anti” e “fa”. Ser anti, é negação, e é muito mais importante afirmar o que se quer e não o que não se quer. Para ilustrar essa verdade, peço para o leitor, neste momento, respirar fundo e… NÃO pensar no Bolsonaro. Fiz-me claro pelo exemplo? A mente não entende o NÃO. Você diz, NÃO pense em algo e é justamente nesse algo que a mente sintoniza.

Quero saber, e ninguém disse: não me importa o que tú é anti, me interessa o que tú é PRÓ. Pois é das sinergias que prosperam as relações. Na época da eleição, vinha o “beautiful people” cagando regra com o ELENÃO, mas não manisfestavam a própria opinião. Não afirmavam em quem iam votar e o por quê. Queria muito saber o candidato das pessoas que subiam o hashtag do Helenão. Vergonha de defender o encarcerado, “né filha”?

E o mesmo condicionamento continua agora. Esses, rasteiros de opinião, que se auto intitularam AntiFa, tem sua revolução tão duradura quanto o tempo que suas Stories de Instagram ficam no ar. Defendam seus credos, exponham suas escolhas. Sejam pró, nunca anti.

E a segunda parte que é a mais absurda: o “fá” do antifa seria de fascista. Vamos rir: não sabem nada sobre história, repetem slogam da mídia podre, aplaudem a violência, e acham que isso é democracia, quando na verdade emulam atitudes fascistas eles próprios. Então o termo é totalmente inapropriado, pois não se pode ser contra, ao que se é, e daqui para frente vou denominar com o nome certo do movimento antifa que é “pró-terrorista”.

O “pró-terrorismo” começa com a não aceitação da democracia das urnas. Alcança a condição de débito cármico quando se “cancela” o irmão de outrora, pelo simples pensar diferente; ganha status de hipócrita quando se relativiza curtir quem apregoa soco na cara de amigo e… torna-se cúmplice quando se incentiva o quebra-quebra do bem alheio, do desrespeito com os símbolos pátrios.

Fiz-me claro, mas vou reforçar: a hipocrisia da esquerda não absolve ninguém, e isso não é uma determinação minha, posando de juiz, quem seria eu para isso? Firmo-me no ensino do Mestre. Agora, tudo bem, com as aglomerações pró-terroristas, pode ir pra rua, não vi beato nenhum do confinamento horizontal reclamando agora, mas antes era “fica em casa” seus bolsominions (que nome mais bonitinho) genocidas. Apoiaram a suspensão de dar esperança aos contaminados de covid por ideologicamente ser contrários à hidroxicloroquina, ensurdecem-se perante as evidências positivas do bom uso da bolsopill. Arrotam a palavra ciência, de boca cheia, e desconsideram que são uns ignorantes científicos manejados pela mídia e pelos interesses de laboratórios farmacêuticos. Hipócritas.

E agora eu falo diretamente para você (especificamente) e saberás que és tu. Se colar em ti, colou, mesmo não sendo tu com que estou falando: vai te curar prá lá, não tenho nada com isso.

Eu disse antes que firmo-me no ensino do Mestre. Jesus, (assim como eu) não condenou a prostituta. Em João 8:11, Ele disse para a adúltera: “Eu também não condeno você. Vá e não peque mais!”. Porém em toda a escritura sagrada, há só um tipo de gente que Jesus condenou, entre todo tipo vil que passou por sua volta: em Mateus 23:27 lemos, ” HI-PÓ-CRI-TAS! Pois vocês são como túmulos pintados de branco, que por fora parecem bonitos, mas por dentro estão cheios de ossos de mortos e de podridão. Por fora vocês parecem boas pessoas, mas por dentro estão cheios de mentiras e pecados”.

Ái Ái Ái Ái Ái…

17/04/2019 Cerimônia Comemorativa do Dia do Exército

Eu não imaginava um cenário pior: golpe, contra-golpe, em meio uma pandemia.
O que acontece é que existe uma união dos opostos, ou seja inimigo se juntando com inimigo, para tirar o Presidente do poder. É isso: o resumo da ópera bufa que vivemos. Disse que é bufa, porque é ligeira, satírica e se desdobra em poucos atos. Final com tudo para ser apocalíptico, e não apoteótico.
Apesar de serem vários os protagonistas dessa ópera, destaque vai para Maia, Alcolumbre, Doria, Imprensa e STF.
Maia e Alcolumbre aproveitando o regime de votação à distância estabelecido pela pandemia, deixam caducar importantes medidas provisórias do Executivo. Além disso, não abriram mão do fundo eleitoral, dizendo que isso seria “demagogia”. E o pior: descaracterizaram o plano Mansueto para gerar um desfalque de mais de cem bi sem contrapartidas, com a desconfiança óbvia de roubo do erário e com a certeza de boicotar o governo federal que não terá mais gestão na parte econômica. Ninguém pode ser apoiador disso, só se for ladrão querendo uma partezinha do crime, ou… querer ferrar com o Presidente.
Já o Doria, num delírio que visa a eleição de 2022, fez um motim de todos os governadores contra o Bolsonaro e contra o povo. Todos sabem que ele foi eleito na marola do Bolsonaro (auto intitulando-se BolsoDória…). E por fim quis se auto-proclamar o “inventor” da hidroxicloroquina. Dória virou um projeto de ditador e é humilhante o que o povo faz com ele nas ruas e nas redes nos últimos dias.
A imprensa, certamente afetada pelos cortes de verbas do governo federal, contribui no ataque diário e incessante a tudo o que o governo faz. O povo contra-ataca, não deixando mais a Rede Globo fazer entradas ao vivo.
O STF simplesmente desautorizou o Presidente transferindo o seu poder para os governadores e prefeitos, e está perigosamente interferindo também no poder legislativo, como repetitivamente reclama nosso projetinho de primeiro ministro, Maia. Solta os ladrões, e não respeita a Constituição.
Estabelecidos esses pilares contra o Presidente, vem o desprezo do óbvio, por parte desses que o atacam: as pessoas sem emprego e em quarentena vão morrer de fome, o país está quebrando. Por isso o Bolsonaro sempre alertou sobre o lado econômico da quarentena. Agora, até o preposto chinês na O.M.S. diz o mesmo. Hoje já existem diversas situações de descontrole devida à impossibilidade prática de se manter o #ficaemcasa num pais plural como o Brasil.
É fácil para o hipócrita ficar pedindo comida pelo UberEats, vendo live pelo youtube e instagram, assistindo CNN pela tv a cabo e maratonando na NetFlix, repetindo o slogan televisivo #ficaemcasa, e arrotando #bolsonarogenocida em meio a um sorriso satírico nos lábios: disse que era bufa…
Esses hipócritas não estão preocupados com o Brasil, só estão preocupados em tirar o Bolsonaro. Suas mentes estão sendo lavadas com a psicologia do oprimido faz tempo, seus professores são soldados da máquina socialista e se não tem a coragem de reconhecer os crimes antigos realizados por esse sistema, imagine se teriam coragem de falar tudo o que eu apontei acima agora.
(Tenho pena daqueles que estão soterrados pela polícia da verdade. Reféns do politicamente correto. Artistas libertários, que não ousam ir contra a Lei Ruanet pelo receio da pressão de seus “amigos”, professores imparciais, que não podem escrever o que pensam em suas timelines por terem medo de perder o seu pequeno espaço nas universidades, e pior, terem que conviver e acatar os comentários quase sempre odiosos e maledicentes de sua bolha. Senão perderão sua reputação, serão odiados por manisfestarem a sua verdade. Mais fácil posar de isentão, continuar curtindo e permitindo discursos de ódio contra a direita em suas redes sociais para se fazer de “descolado”, e vez em quando ir encher o saco daquele da bolha alheia, por motivos que só os os chatos de alma poderiam explicar.)
Tenho que registrar algo relevante antes de encerrar. Não adianta ser contra o Bolsonaro por ser “do contra”. Você pode estar ajudando o Dória ou coisa pior, como o Huck. Tivemos o exemplo didático do #ELENÃO nas eleições, onde o “beautiful people” ficou escondendo que iriam voltar no poste do presidiário com um slogam de negação do Mito. Não funcionou e nunca funcionará. O cérebro não entende o “Não”. Se eu disser “Não pense num elefante…”, tua mente vai lá e pensa. Ser contra o Bolsonaro é só apoiando outro alguém. Então não perde tempo articulando golpe, contragolpe, não interessa a ordem. Bota a cara para fora e assume quem é o teu anti-Mito e só assim terá dignidade política. O problema é que esse não existe. O Carniça já era.
O Bolsonaro, isolado politicamente, certamente aconselha-se com seu filhos, e tem seu ego inflado pelos bolsonaristas mais radicais. Isso tem se provado ser encrenca na certa. 02 a 04 são até mais destemperados que o 01. Um Bolsonaro incomoda muita gente, quatro Bolsonaros incomodam, incomodam, incomodam, incomodam muito mais. Daí o Mito fica ouvindo seus filhos e comendo milho (graças a CNN sabemos que foi milho com ketchup Heinz, Sal do himalaia e resto de ovo de páscoa…) louqueia de vez, e vai discursar em frente ao quartel do exército em cima de uma caminhonete branca. Chico Xavier quase acertou: disse que seria num cavalo branco… Deixando piadinhas de lado;
Encerro: Bolsonaro anda nas ruas, não porque é um inconsequente, mas sim porque o povo o apoia e porque ele tem sua prática em consonância com seu discurso, quer goste, quer não goste. Diga se os pilares contra o Presidente nomeados anteriormente aqui podem andar nas ruas? Se o povo está com eles? (Não está).
Agora ferrou de vez: vão acusar o Bolsonaro de algo que ele não fez, mais uma vez, pois não foi ele que fez a manifestação, nem chamou AI-5 e a situação da pandemia provavelmente vai piorar (no médio prazo) e assim, vai continuar a ser usada contra o Bolsonaro, como tudo o que aconteceu de ruim antes. Derramou o óleo, culpa do Bozo, queimou a floresta, BozoNero, lotou a UTI de COVID, Bolsonaro genocida. Vai ser algo lamentável, vão fazer o sempre fazem, que é acusar o outro de seus próprios atos.
Do jeito que está a única solução é gemer cinco vezes, como no título deste artigo. Todas as demais possíveis soluções o gemido vai ser bem pior.
(atualização de 20/04/2020: não vai adiantar mais gemer, não irão vir assoprar)

#ficaemcasa Mandetta

nelson-teich-reproducao-868x644

Eu já tive funcionário que quis ser demitido. É uma desgraça. Não tem jeito, não dá para manter. A secretária, no caso, chegava atrasada, mandava correspondência errada, colocava um atestado médico em cima do outro, desacatou o meu sócio…
Mandetta é um político com registro de médico. Filiado ao partido que mais assola atualmente o país. Não, não é o PT. O PT eu nem falo mais dele porque virou cachorro morto, e vocês sabem, cachorro morto nem se chuta. É o DEM , os DEMOnioCRATAS do Alcolumbre, Maia e Caiado. Essa é a farinha do saco do exonerado.
Quem defende o Maneta, vai votar nele para presidente em 2022? A chapa com o Caiado é tida como certa, uai! O problema do anti-Bozo é não ter em quem votar. Quem iria para um segundo turno em 2022? Lembre-se que cachorro morto não vale.
Tô falando aqui repetitivamente que o INIMIGO DO TEU INIMIGO não é teu amigo. O DEM não é amigo do Brasil, quanto mais amigo da esquerda. Gente que chama os apoiadores de Bolsonaro de burro, mas não olham para o espelho. Chama de gado, mas não percebem o arame farpado que tolhe suas mentes. Continuo falando dos esquerdopatas aqui.
Imagine: olha para quem está lastimando a saída do Maneta, digo, Mandetta: a esquerdalha, a mídia lixo, o Gilmar Mendes e outros capa preta, a Maria do Rosário e a “ala progressista do quinto dos infernos”, os DEMoníacos, e… os moradores do curral alheio, os esquerdopatas em geral. Ficou claro que o cara tava lá para fuder com o Mito: a entrevista do Fantástico foi na linha (e superou) o que minha ex-secretária fazia para ser botada na rua. Pediu pra sair. Saiu, ufa, nem devia ter entrado, dado a procedência partidária e o histórico de corrupção.
Temos agora um Ministro da Saúde que é médico, não um político com CRM, sem filiação partidária, não é amigo do Presidente da Câmara ou do Senado, é especialista em gestão na área de saúde, não em jantares de madrugada. Disse que decisões serão tomadas com base em números, sem emoções.
Nelson Teich é Médico pela UERJ, especialista em oncologia do Instituto Nacional do Câncer e DOUTOR em CIÊNCIAS e ECONOMIA da Saúde da Universidade de York (Reino Unido). Destaque para as letras maiúsculas!!!
Bolsonaro acertou a mão. Se trata de um gestor, não de um político, com ótimo conhecimento técnico. A Associação Médica Brasileira participou de audiência com o Presidente da República Jair Bolsonaro, acompanhando o dr. Nelson Teich, dando apoio e unidade na escolha. Fica em casa, Mandetta!
E fica meu apelo para que Nunca Mais ponham deputado como ministro.
Xô-Covid

Monkey Green

monkeygreen

Na minha esquina tem um pokestop. Agora minhas caminhadas ao comércio local estão mais divertidas com o #pokemongo.

O comércio todo fechado. Nenhum vendedor ambulante na praça.

Na farmácia e supermercado, o povo em filas mantendo 2 m de distância.

Passa o ônibus que vem do Centro. Lotado. Os passageiros de pé, socados uns aos outros. Observo-os descer, uma cara de alívio, aquela tosse segurada, o catarro finalmente aliviado.

Desvio o olhar e aumento a distância, calculando a direção do vento. Meu celular vibra.

Pego o aparelho, desbloqueio a tela : era um Charmander. Jogo uma Master Ball. De primeira!

O mundo virtual está muito mais atrativo do que o real. Entendo aqueles que querem sumir daqui.

Gotcha!

Vamos nos permitir?

Permitir não é aceitar intriga, não é compactuar com hipocrisia, nem muito menos dar like pro recalcado que vem destilar segundas intenções na tua time-line.

Daí aparece o “friend”, vem comentar que o uso da bandeira da paz por mim é fake, que eu não sou aquele ídolo espiritual que ele cria (pretérito imperfeito do verbo crer), e aí eu pergunto: o problema é meu ou é dele? O intrigão sou eu ou é o tosco que vem aqui me cutucar. O problema é que vem me cutucar com vara curta. E até para vara longa, o “block” tá aí prá isso. Quando acontece isso a mariposa vai chorar pra sua bolha. “Ái, o Rúbis me fez dodói”. È tão manjado isso, os caras nem tem espontaneidade de criar drama novo! Toda a esquerdalha age assim. A vara que eu me referi aqui são as sinapses cerebrais.

Nos permitir é respeitar e ser respeitado, pois asseguro que quem não respeita não será bajulado aqui.

Nessa ordem. Primeiro respeitar.

Nos permitir é opinar construtivamente. E assim construtivamente receber minha atenção. Ainda que poucos assim não o façam (opinar construtivamente) recebem ainda assim minha atenção, pelo respeito pretérito que nossas jornadas já compartilharam.

E para opinar, neste meio das mídias sociais, tens que saber escrever. Não aguento adivinhar ideia mal redigida.

Nos permitir é saber a diferença entre a pizza e a sua opinião. A pizza, eu pedi. Então pisa leve.

Todos mandam na sua casa, eu também mando na minha. Pensa, antes de vir aqui escrever merda, se eu caguei na tua página.

Nos permitir é saber que mesmo quebrando o pau comigo nos ARGUMENTOS, estarei pronto para te dar um abraço e rir de tudo isso.

Sinceramente, não guardo rancor. No máximo, mantenho a indiferença.

Nos permitir é saber que juntos podemos ver um novo começo de era, mesmo cercados nesses muros de hipocrisia que insistem em nos rodear.

Não existe uma opinião única assim como não existe música de uma nota só. Até a nota dissonante, no momento certo é fundamental.

Vamos?

Valores na bolsa

Maldita bolsa de valores…

Lembrei me de Marshall Berman, lendo o noticiário econômico de hoje: todos pensando que a economia era algo sólido, mas…

Eu sei que vivemos num mundo fake. Sei, não porque eu creio nos mestres que me aparecem, sei porque eu sinto.

Não tem sentido real acreditar no mercado financeiro, como é possível uma empresa perder assim bilhões num dia. A dúvida que fica é: realmente ela tinha? Tinha o quê?

Tudo hoje é virtual. Você aperta um pedaço de vidro (teu smartphone) e manda um bitcoin para a China. O banco te desconta quanto ele quer de juros do cheque especial e você não tem nenhum controle.

De repente alguém ganha na loteria e sua conta se enche de zeros… Zeros à direita, que é o lado bom para os zeros e para outras coisas também.

Daí vem enchente, doença, falcatrua na empresa, sei lá e você perde tudo.

Ou aparece um vírus e a economia mundial trava. A maldita bolsa leva em um dia tudo o que você capitalizou em vários anos.

Não se pode nem mais ir e vir, veja os italianos. Mamma Mia!

Tudo é virtual. Coisas que você não vê decidem o que te acontece.

Mas, porém, contudo, todavia, quem decide o que se faz com o que te acontece, ainda é você. Repete.

Saber que tudo é virtual e que estamos num “fake world”, pode nos deixar mais tranquilos. Basta termos a certeza de duas coisas: onde queremos  ir e que o “uber divino” está na direção disso tudo.

Agora, se não sabes onde queres ir ou se não confiar no “motorista”, assim como disse Berman, mesmo se pensando ser sólido, se desmanchará no ar. 

Criação de Riqueza

“Democracia, o Deus que falhou” de Hans-Hermann Hoppe

“A riqueza pode ser criada ou aumentada somente através de três maneiras: (1) por meio da percepção de determinados bens naturais (ofertados pela natureza) como bens escassos e da apropriação ativa desses bens antes que alguém já o tenha feito (homesteading); (2) por meio da produção de bens com o auxílio do trabalho e com o uso de tais recursos originalmente apropriados; ou (3) por meio da aquisição de bens através de uma transferência voluntária e contratual com o apropriador original ou o produtor.”

Comece a ler este livro gratuitamente: http://amz.onl/iGFDYUG